ALCEU FEIJÓ

No final da década de quarenta ou início dos anos cinqüenta, o time de futebol do Esperança foi a Santa Cruz do Sul, para disputar uma partida.

Começou o jogo e, sem demora, o Queixinho, do Esperança, marcou o primeiro gol.

Contra.

Uns minutos depois, foi a vez do Moacir – também jogador do Esperança – fazer o seu.

Contra, de novo.

Desesperado lá na área adversária, o ´centerforward” Adão fazia das tripas coração para diminuir o resultado. Ele fez a sua parte, marcando dois tentos – a favor! – mas não adiantou nada: o fato é que o Esperança estava com fome de gols naquela partida. Tanto foi assim que, no segundo tempo, o time fez mais dois.

O primeiro foi do Albotino.

Contra.

E o outro, do Alceu Feijó.

Também contra.

(O gol contra do Feijó, aliás, foi discretamente comemorado pelos companheiros do próprio time. Acontece que o Feijó, além de jogador, também era o presidente do Esperança, e esta mancada presidencial meio que liberava as dos simples e mortais jogadores...)

Deve ter sido a única partida da historia do futebol mundial em que um time fez seis gols e conseguiu perder por quatro a dois...

(Nota do autor: normalmente invento histórias e as escrevo neste espaço dominical. Mas agora que o Alceu Feijó – amigo de vida inteira do meu pai e meu amigo ao longo de toda a minha vida – está completando os seus infantes noventa anos de idade, achei que poderia homenageá-lo contando esta deliciosa historinha verdadeira... Até porque o Feijó, se não era lá grande coisa como jogador de futebol, segue jogando um bolão como profissional e ser humano...)


Outros Contos


2015

SAPATEIRO

TIA ESTER

OS CINCO HOMENS VELHOS

A SUPER LUA

SEBASTIÃO

MONTEVIDÉU

O BILHETE – III

O AUMENTO (versão 3)

AINDA

NESTA ÉPOCA

DONA LIDIANE

EU TE AMO

O CAVALEIRO E SEU CAVALO

2014

BARBARA ANTHONY

O CARNAVAL DO SAFADÃO

INDENTIDADE

AS QUATRO

MULTICORES

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais