A SERENATA

O pai, meio sem querer, escutou quando Otavinho falava com um amigo e contava a ele, num semisegredo, de sua timidez em conquistar Juliana. A garota mais bonita do colégio, a linda das lindas, e que tinha a delicadeza de não rir quando Otavinho, vermelho, gaguejava bobagens ao seu lado.

Quando o amigo se foi, o pai explicou a Otavinho que escutara a conversa. Depois que o filho terminou o breve discurso indignado de privacidade invadida, o pai sugeriu:

“Faz uma serenata pra ela.”

Serenata, o que é isso? – perguntou-se o garoto, pensando nos cem anos que o velho deveria ter.

O pai explicou o que era, disse que muitos namorados haviam conquistado suas namoradas daquele jeito, que era uma coisa linda, romântica, e que certamente Juliana iria gostar.

Otavinho fez um gesto de desdém (o pai tinha, sim, cem anos).

“Bem capaz que eu vou fazer este fiasco!...”

“Não é fiasco, é bonito.” – redargüiu o pai. – “Convida uns amigos pra te ajudarem e...”

“Mas aí é que nunca!” – precisou rir Otavinho, o pai decerto estava doido. – “Imagina convidar os amigos pra me verem passar vergonha...Nunca mais param de me gozar lá no colégio!”

E terminou o assunto, condescendente, pai de seu pai (gracias, Fabrício):

“Valeu a força, mas vamos deixar assim. O tempo agora é outro.”
****

Em casa, sozinha no quarto e escutando música, Juliana pensa no quão iguais andam os garotos hoje em dia. Ficar é fácil, pensa ela – difícil é permanecer. Por isso, tão raro se interessar – todos a mesma coisa, sempre. Ela poderia – facilmente - se apaixonar por alguém que soubesse ser diferente, que lhe recitasse um poema, que lhe falasse coisas bonitas e suaves, que lhe abrisse a porta ao passar, que lhe desse chocolates sem motivo, que lhe trouxesse flores de vez em quando.

Ou, quem sabe, que lhe fizesse uma serenata.


Outros Contos


UM MENDIGO PARADO NO MEIO DA CALÇADA

O ACASO

CARTA PARA JANINE

AINDA

PRETO E BRANCO

A FESTA DE NÃO MORRER

QUALQUER DIA QUE NÃO SEJA 8 DE MARÇO

O CALOR

TELEFONEMA PREMIADO

TROCAR OS PAPEIS

DOIS SILÊNCIOS

CINQUENTA

OS OLHOS AZUIS, AZUIS

O MEDO EM QUE ELA VIVE

PÁSCOA

O ERRO NOS OLHOS

A MENTE COLORIDA

MEIA LUZ, MEIA VERDADE

O ENDEREÇO

O CASACO DE LISTRAS AZUIS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais