FORTE APACHE

Vicente arredou o tapete e armou o Forte Apache no chão da sala, a fim de que o piso marrom mais parecesse com o solo arenoso do Texas, algo assim. Estava numa alegria que só vendo, colocando cada pecinha em seu lugar e brincando consigo mesmo, enquanto Felipe, ao seu lado, mais observava do que efetivamente brincava: o fato é que Vicente, em sua excitação tamanha, quase não deixava espaço a Felipe para brincar. Mas não fazia mal: a felicidade de Vicente era tanta que isso já bastava para divertir Felipe.

As paliçadas, as torres de vigia, a casinha de mantimentos, a cantina, os alojamentos, os soldados, a carroça, a bandeira, os cavalos, o cachorro mascote – cada pecinha instalada era novo júbilo a Vicente.

“Aiôôôu, Silver!” – ele gritou, enquanto agitava no ar um cavalinho plástico malhado, infância inteira gritando a mil.

“Silver? Quem é Silver?” – perguntou Felipe.

“Silver, ora! Silver! O cavalo do Zorro!”

“Ah, bom...” – concordou Felipe. O Zorro, sim, ele conhecia.

Vicente pegava cada peça e com elas desenhava batalhas, cavalgadas, conversas imaginárias, a vida do Velho Oeste renascendo naquele instante em suas mãos. Felipe ao lado, sempre mais observando do que brincando – mas divertido com a animação do outro.

E então Vicente pegou o mascote de plástico, um pastor alemão com um lenço no pescoço, e bradou, enquanto sacudia o brinquedinho no ar:

“Aiôôôu, Ríntim”!

“Ué, mas não é ´aiôu, Silver?´” – perguntou Felipe.

´Ah, é verdade...” – titubeou Vicente – “Estou misturando os seriados. Mas o que vale é a brincadeira!” – e atirou o cachorro para o alto, gargalhando.

Felipe apenas sorriu outra vez e pensou que o avô não tinha mesmo jeito. E que, certamente, havia lhe dado aquele Forte Apache no dia da criança só para poder brincar também.


Outros Contos


EMÍLIA AO TELEFONE

AS FLORES DO CAMPO

PAPAI NOEL NÃO GOSTA DE CROQUETE

OITO DE MARÇO

O MAR AO LONGE

OS ANÉIS

AUTO DE INFRAÇÃO

APOSTA

O HOMEM QUE VIRA A PÁGINA DA PARTITURA

AS OUTRAS COISAS, COMO ELAS SÃO

OS PRIMEIROS SÓIS

POR ONDE ANDARÁ A INFÂNCIA?

O PAI QUE ESPERA O FILHO ACORDAR

O RETRATO

EM BOA COMPANHIA

O OLHO

MULTICORES

O CASAMENTO

INFÂNCIA MODERNA

O TRABALHO DO COELHO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais