MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

Prefácio

Morreu Max Mallmann, escritor, meu amigo e irmão. Tempos atrás, quando soube que o Max estava doente, escrevi para ele o continho abaixo. Não valeu para nada, a não ser para que o Max soubesse o quanto eu gostava e me importava com ele. 2016 esta sendo um ano difícil.

---


Desde pequeno foi assim, Max. Sabendo o valor das palavras, o quanto importava serem ditas ou escritas, o quanto de silêncio ou barulho podia nelas existir. Tratando-as com a ponta dos dedos, cinzéis de apuro, a delicadeza laborada que elas merecem.

E então, porque o mal de tratar bem as palavras não tem cura, - que remédio! -, o Max decidiu ser escritor. Não que isso fosse qualquer garantia, porque alguns escritores mais maltratam as palavras do que qualquer outra coisa, mas não o Max, ele não. E, para que não ficasse sozinho nesta empreitada linda e difícil, buscou para a vida uma companheira que também fosse escritora. Bem diferentes, eles; e bem iguais.

E lá foram eles, andando nesta brincadeira séria de textos e frases, ourives ambos na lapidação dos livros e da vida. O Max inventando histórias com síndromes e quimeras, zigurates, homens vivendo tranqüilos com serpentes calmas enroladas no pescoço, aquelas coisas que só a imaginação de quem trata bem as palavras consegue enxergar, fantasia acontecendo aos olhos que querem vê-la.

Mas e então, nos últimos tempos, este malandro chamado Destino resolveu colocar o Max mais perto de umas palavras muito sérias, cheias de um gosto difícil e complicado, às quais ele não estava acostumado e nem queria se acostumar: quimioterapia, laboratório, radioterapia, cirurgia, exames. Em compensação, este mesmo Destino deixou-o ao lado de uma palavra bem engraçada: careca.

Ele ainda está se adequando a estas novas palavras que, de repente, apareceram em sua vida. Mas vai vencê-las, certamente, vai ultrapassá-las, deixá-las para trás.

E vai fazer isso escrevendo, tratando bem as palavras.

Porque ele mesmo já disse, certa vez, que há duas escolhas possíveis. Uma é não escrever e não viver. A outra é escrever e viver.

E ele escolheu escrever e viver.


Outros Contos


AS FESTAS

PAIXÃO

O CELULAR DO MEU FILHO

DIA DOS NAMORADOS

A SAPATEIRA

ELE NÃO SABE

ESPÍRITO DE NATAL

ALI, LOGO AO LADO, AGORA

PÁSCOA

O AUMENTO (versão 3)

O HAITI NÃO É AQUI

S/A

DEFICIÊNCIA

O PERSONAGEM QUE ME ESCREVE

FORTE APACHE

MÃOS DADAS

DONA LIDIANE

LUCIA?

CARTA PARA JANINE

AS FLORES DO CAMPO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais