PAPAI NOEL NÃO GOSTA DE CROQUETE

Papai Noel entrou no boteco, depositou o saco de aniagem no banquinho em frente ao balcão de fórmica e, sob o olhar entre espantado e divertido dos bebuns de plantão, pediu uma cerveja e um croquete.

“A mais gelada!” – ordenou, com voz de poucos amigos. E depois, sacudindo o quanto dava a gola do casaco vermelho – “Calor do cacete! Tou suando como um cavalo!...”

O dono do bar serviu-lhe a cerveja num copo americano e Papai Noel esvaziou-o num gole longo e sedento. Depois, estalou a língua e serviu-se novamente, olhando com certa delícia a cor que enchia o copo. Entornou a bebida com afoiteza e então provou o croquete.

“Orra, meu! Que croquete ruim, esse! Fizeram com quê?”

“Carne moída.” – respondeu o dono do bar, a educação possível.

“Carne moída?” – o Papai Noel levantou a voz – “Só se for carne moída de urubu!...” – exclamou, logo depois de esvaziar o terceiro copo de cerveja.

“Olha, o senhor respeite aí o meu bar, seu Papai Noel...” – pediu o proprietário, a voz dura, enquanto os demais fregueses se acobertavam num silêncio tenso.

“Papai Noel, o cacete! Tou na minha folga, palhaço. E tu que me respeite, se não a coisa vai enfeiar pra ti!..” – o outro gritou, batendo a mão no balcão e esparramando cerveja.

“Calma aí, parceiro! No Natal tu manda, mas aqui no meu bar mando eu...”

“Manda o escambau!” – respondeu Papai Noel, enquanto já tentava alcançar, meio desequilibrado, um soco no queixo do dono do boteco.

****

A confusão só acalmou com a chegada dos brigadianos, minutos mais tarde. Umas garrafas quebradas, duas cadeiras no chão, cerveja espalhada no piso, o croquete ainda inocentemente deitado no pires – nada muito grave.

Quando já os policiais levavam o Papai Noel para o camburão (a touca rasgada, a barba de algodão arrancada pela metade), ele pareceu lembrar-se de algo e pediu só um instantinho. Os brigadianos relaxaram a pegada e ele virou-se para dentro do bar, erguendo os braços.

“Feliz Natal, gente! Paz e alegria para todos! Hohoho!”

Depois, manso, entrou no camburão.


Outros Contos


O ABRAÇO, AI, O ABRAÇO

A MÃE E A FADA DO DENTE

O BARBEIRO

OS DIAS LONGOS

AS COTAS

AS FELICIDADES PEQUENAS

DEPOIS DO NATAL

CENA DE CINEMA

A COPA

O PRIMEIRO AMOR A GENTE NUNCA ESQUECE

O MEU FUTURO

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

FILME FRANCÊS

DIA DOS NAMORADOS

QUANDO VOCÊ ME DEIXOU, MEU BEM

PRIMEIRA PÁSCOA

A ARTE DA SEDUÇÃO

BETÂNIA EM SEUS SONHOS

CORRESPONDÊNCIA

MENELAU

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais