A NETA DA DESQUITADA

Quando, alguns anos atrás, Saulo apresentou a nova namorada à família, a avó obviamente quis saber de quem a moça era filha. Quando Marilene explicou parte da sua árvore genealógica, desfilando nomes e parentescos, a avó sorriu amarelo e mais não falou até o final do jantar. No dia seguinte, quando lhe perguntaram a razão de tamanho silêncio, explicou sem maiores rodeios:

“Ela é neta da Zulmira.” – e então, como se pronunciasse um palavrão pesado ou confessasse certo pecado grave – “E a Zulmira era desquitada!”

Uma desquitada, então. Mais de quarenta anos atrás. Quase um exílio.

Pouco adiantou dizerem à avó que dona Zulmira já havia morrido há mais de dez anos, nem que havia vivido uma solitária invictude após o mal-falado desquite. Muito menos que havia morrido em paz com tudo e com todos, até com a religião.

“Não. Uma desquitada não pode ficar em paz.” – vaticinou a avó.

E lançou-se a lamentar a má sorte do pobre neto.

****

Saulo e Marilene casaram-se na semana passada, depois de seis anos de namoro, numa festa linda e cheia de convidados. A avó de Saulo, toda elegante num vestido amarelo e num chapeuzinho branco que lhe emprestava ares de rainha da Inglaterra, era das mais animadas. Depois de tanto tempo, a verdade é que adora a esposa de seu neto, e estava felicíssima de que ele, chegando aos trinta, finalmente resolvesse se emendar. Cumprimentando e sorrindo a todos, a avó não se cansava de elogiar os noivos. Do neto, o quanto sempre fora querido e ajuizado. De Marilene, quão linda e prendada era aquela moça. Um mimo, comentava a avó. E então, num sorriso cândido:

“Nem parece que é neta de desquitada.”


Outros Contos


O CALOR

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

A VIAGEM

LIBERDADE DE OPRESSÃO

O AUMENTO (versão 2)

A IMPERFEIÇÃO

A FAMÍLIA

AS FALAS DA MÃE

O PERSONAGEM QUE ME ESCREVE

O TRABALHO DO COELHO

O TERROR INSTALADO NOS OLHOS

O MAR AO LONGE

BRINCADEIRA

O AUMENTO (versão 1)

RETRATO PARA A MÃE

POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

ONDE ANDARÁ ESTE FUTURO?

ATRAQUE

S/A

O AMULETO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais