FIM DE NOITE

Ela deve ter uns cinqüenta e vários anos, beirando os sessenta; ele terá um pouco mais. E a vida, logo se vê, não foi generosa com nenhum dos dois: a mulher é um pobre fiapo de cabelos mal pintados e o homem parece mal acomodar-se nuns sapatos brancos que certamente o acompanham há décadas. Mas nenhum peso da história os move enquanto entram juntos na lanchonete ao lado do Clube da Grande Dança, onde bailaram a noite toda como se já se conhecessem há muito tempo. Parece que ainda dançam quando entram na lancheria, reluzentes, ele cumprindo o bom rito de conduzi-la com a leveza do toque da mão nas costas, ela desacostumada a aquele cavalheiresco puxar de cadeiras de quem não se senta enquanto a dama não está acomodada.

E quando ele sentou-se, informou:

“Pode pedir o que quiser.”

Mas ela sabe que não deve abusar. Assim, quer apenas um pastel de frango, enquanto o homem pede ao garçom dois croquetes de carne que o dono do bar assegura terem sido feitos ainda há pouco. E dividem uma cerveja, felizes em suas simplicidades, conversando o que podem e lembrando das danças de toda a noite, rindo enquanto comem e bebem suas porções pequenas de abastança. Quando terminam a cerveja, ele ordena ao garçom que traga outra.

“Não vai me deixar bêbada!” – ela ri, coquete.

Depois ficam falando e rindo ainda outro tanto, até que ele sugere, sem que isso pareça qualquer desrespeito, que poderiam terminar aquela conversa na casa dele, que não fica longe.

Mas não, ela diz - é muito cedo.

“Primeiro a gente precisa se conhecer melhor.”

***

Eles ficam ainda uma hora na lanchonete, enquanto a mulher come um novo pastel e os raios da manhã começam a invadir, com mansa vermelhidão, as mesas mais próximas à rua. Quando levantam, ele a ajuda a vestir o casaco e finge que não ouve os protestos bem humorados dela por não deixá-la ajudar a pagar a conta.

Depois, ele a levará até o ponto de ônibus e de lá não sairá enquanto ela não esteja seguramente instalada no coletivo. No caminho, marcarão de se encontrar sábado seguinte, às onze e meia da noite, em frente ao Clube.

Para se conhecerem melhor.


Outros Contos


OS OLHOS DAQUELE MENINO

ALI, LOGO AO LADO, AGORA

DESENCONTRO

OS PASSEIOS COM MINHA IRMÃ

AINDA GILDA

RODAR, RODAR

AS FESTAS

OS OLHOS AZUIS, AZUIS

TOM MENOR

CRIANÇA TEM QUE SER FELIZ

A MÚSICA ESCOLHIDA

A FESTA DE NÃO MORRER

MOSAICO

O CELULAR DO MEU FILHO

ESTÁTUAS VIVAS

O CHEFE

DÚVIDA

DESCONFIANÇA

O SENHOR LUGAR COMUM VAI VOTAR

A INDEPENDÊNCIA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais