FIM DE NOITE

Ela deve ter uns cinqüenta e vários anos, beirando os sessenta; ele terá um pouco mais. E a vida, logo se vê, não foi generosa com nenhum dos dois: a mulher é um pobre fiapo de cabelos mal pintados e o homem parece mal acomodar-se nuns sapatos brancos que certamente o acompanham há décadas. Mas nenhum peso da história os move enquanto entram juntos na lanchonete ao lado do Clube da Grande Dança, onde bailaram a noite toda como se já se conhecessem há muito tempo. Parece que ainda dançam quando entram na lancheria, reluzentes, ele cumprindo o bom rito de conduzi-la com a leveza do toque da mão nas costas, ela desacostumada a aquele cavalheiresco puxar de cadeiras de quem não se senta enquanto a dama não está acomodada.

E quando ele sentou-se, informou:

“Pode pedir o que quiser.”

Mas ela sabe que não deve abusar. Assim, quer apenas um pastel de frango, enquanto o homem pede ao garçom dois croquetes de carne que o dono do bar assegura terem sido feitos ainda há pouco. E dividem uma cerveja, felizes em suas simplicidades, conversando o que podem e lembrando das danças de toda a noite, rindo enquanto comem e bebem suas porções pequenas de abastança. Quando terminam a cerveja, ele ordena ao garçom que traga outra.

“Não vai me deixar bêbada!” – ela ri, coquete.

Depois ficam falando e rindo ainda outro tanto, até que ele sugere, sem que isso pareça qualquer desrespeito, que poderiam terminar aquela conversa na casa dele, que não fica longe.

Mas não, ela diz - é muito cedo.

“Primeiro a gente precisa se conhecer melhor.”

***

Eles ficam ainda uma hora na lanchonete, enquanto a mulher come um novo pastel e os raios da manhã começam a invadir, com mansa vermelhidão, as mesas mais próximas à rua. Quando levantam, ele a ajuda a vestir o casaco e finge que não ouve os protestos bem humorados dela por não deixá-la ajudar a pagar a conta.

Depois, ele a levará até o ponto de ônibus e de lá não sairá enquanto ela não esteja seguramente instalada no coletivo. No caminho, marcarão de se encontrar sábado seguinte, às onze e meia da noite, em frente ao Clube.

Para se conhecerem melhor.


Outros Contos


BAILE DE DOMINGO

REGINA RENNÉ

A IMAGEM QUE O ESPELHO ME DEVOLVE

EDUARDO, QUE ESPALHA ESTRELAS

ANDANDO NA CHUVA

A MOÇA DO 20º ANDAR

AO VIVO, DIRETO DO EVENTO

OUTRA CENA DE PRAIA

A VIDA É UM POÇO ATRÁS DO OUTRO DE INJUSTIÇAS

TELEFONEMA PREMIADO

ESPÍRITO DE NATAL

PEQUENOS NATAIS

OS GÊMEOS, AS GÊMEAS

NAQUELE INSTANTE DE ESTUPIDEZ

DESDE O INÍCIO

É SÓ UMA ROSA?

O AUMENTO (versão final)

O MEU FUTURO

REPOLHOS SÃO MAIS DO QUE ISSO

CARTA A FRAN

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais