NÓS PRECISAMOS CONVERSAR

Nós precisamos conversar, disse ela (pediu ela). Mas as minhas reuniões, o trabalho todo e tanto, as horas de relatórios para ontem, o escritório, a fábrica, o café da manhã com olhos na empresa, a tensão com os chefes, a tensão com os subordinados, a tensão comigo, conversaremos amanhã.

Nós precisamos conversar, disse ela (repetiu ela). Mas a cotação do dólar, a variação do mercado, a irritação do mercado, o mercado de capitais, a bolsa de valores, os meus investimentos, o CDB, a taxa de juros e a correção monetária, o limite do cheque especial, o gerente do banco que ligou na semana passada e ficou uma hora no telefone, conversaremos sim, sim, mas conversaremos amanhã.

Nós precisamos conversar, disse ela (avisou ela). Mas o programa de televisão, o jogo de futebol no sábado à tarde e no domingo pela TV, a corrida de automóveis, as páginas todas do jornal, o sono chegando mais cedo, o ronco inquieto no sofá da sala, a lata de cerveja pingando nas almofadas, o sanduíche sem palavras em frente ao noticiário, a novela das oito, o filme sempre pela metade, chatos os filmes que ela gosta, conversaremos sim, claro que sim, mas podemos deixar para amanhã.

Nós precisamos conversar, disse ela (implorou ela). Mas o carro novo com computador de bordo e GPS em todas as línguas, modelo mais luxuoso que o do vizinho, a TV de mil polegadas muito melhor que a do vizinho, este celular que fotografa em três dimensões e tem infográficos multicoloridos e é mais moderno que o do vizinho, o terno novo e mais bonito que o do vizinho, a academia de ginástica melhor equipada que a do vizinho, a pressa tanta para tantos ganhares, sim, claro que conversaremos, amanhã conversaremos.

Nós precisamos conversar, disse ela (suplicou ela). Mas os botecos com os amigos, as noites meio esquecidas nos bares, as risadas, um drinque a mais e mais um petisco, outro drinque, quando se vê já é madrugada, muito tarde para conversar, vamos deixar esta conversa para amanhã.

Não temos mais o que conversar, está escrito no bilhete que encontro no café da manhã.


Outros Contos


UM CARRAU AUTÊNTICO

O AUMENTO (versão 2)

JOHNNY WILD CONTRA BRONCO JOE

O FILHO

SURPRESA NA CHAMINÉ

PROFESSOR ZANDOR

A SUPER LUA

A CIDADE EM OLHOS DE FUTURO

ALCEU FEIJÓ

O ACASO

NO CAFÉ

O BILHETE – II

O CAVALEIRO E SEU CAVALO

A MÚSICA ESCOLHIDA

AS UVAS VERDES

A IMPERFEIÇÃO

A HISTÓRIA

A HORA EM QUE OS CAFÉS FECHAM

QUINZE ANOS

DANÇAR A DANÇA INVISÍVEL

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais