ESCOLHER O SORRISO

A molecada é toda uma festa móvel andando pela rua, repassando aos ares o alarido feliz dos seus onze anos, enquanto voltam da escola carregando livros e bugigangas várias. Rodrigo talvez seja o mais animado, porque hoje Rebeca está junto com a turma e é necessário impressioná-la – quando forem mais velhos, ele tem certeza, irá casar-se com ela. Meia dúzia de garotos e garotas, cuja alegria vale por uma centena. Infância é o nome deste barulho.

De repente, eles pegam o ônibus e para o coletivo transferem a sua festa. Gritos, brincadeiras, piadas que de alguma forma destoam do silêncio cansado do resto dos passageiros, que voltam para suas casas depois do trabalho e que parecem ter para si um código mal definido de que nesta viagem é proibido falar ou sorrir.

A gurizada não dá bola para o silêncio dos outros, não se incomoda com isso. Mas o silêncio dos outros, esse sim parece incomodado com o fogo buliçoso das crianças. Há dois mundos dentro do ônibus. Até a hora em que um senhor, que tentava seguir viagem olhando para fora como se os garotos não existissem, resolve que é hora de não agüentar mais tanta alegria.

“Ô, seus moleques, será que vocês não podem se aquietar um pouco?”

Os pequenos param por um instante, subitamente assustados com a tanta seriedade da vida adulta. E os olhos severos dos outros passageiros parecem concordar com a chamada do homem. Depois, no entanto, os garotos se olham e sorriem entre si, porque a verdade é que não fazem nada demais. E Rodrigo acha que ali está a chance de que Rebeca o note de verdade.

“A gente pode se aquietar um pouco, sim. Mas o senhor também podia tentar rir um pouquinho mais.”

É a vez do homem se surpreender. Esperava apenas que a garotada baixasse o volume, não estava preparado para uma resposta que, num primeiro momento, até pode parecer um desrespeito – mas que também pode ser um pedido bem intencionado.

E então dá-se o pequeno milagre: o homem desarma o mau humor e sorri. Os passageiros mais próximos também ensaiam uns sorrisos, que vão aumentando ao tempo em que encontram uns aos outros.

Rebeca, ao lado de Rodrigo, o olha com uma admiração nova.


Outros Contos


O PRIMEIRO AMOR A GENTE NUNCA ESQUECE

ESTE DOMINGO

O SENHOR LUGAR COMUM VAI VOTAR

ALCEU FEIJÓ

ALTA SOCIEDADE

AS SOLIDÕES

AUTO DE INFRAÇÃO

A MEMÓRIA AO LADO

A MÚSICA ESCOLHIDA

MENELAU

FIM DE NOITE

TROCAR OS PAPEIS

PAPAIS NOEIS

AS FELICIDADES PEQUENAS

PALAVRARIA

OS POEMAS DE AMOR

AS COTAS

BURRO DA PÁSCOA

WALDISNEY II

BOA VIZINHANÇA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais