JANICE QUANDO CHEGOU

Quando abri a porta, Janice não disse nada: simplesmente me abraçou como se daquele abraço lhe dependesse a vida, depois me beijou até que ambos perdêssemos docemente o fôlego. Deu-nos apenas o tempo de voltarmos ao ar e à gana, então repetiu o beijo que me trouxe o gosto de maravilhas nunca sentidas. De algo que não sei nem quero explicar.

Então disse em meu ouvido que estava com todas as saudades do mundo, e que por isto estas saudades não cabiam inteiras em seu peito. Pegou minha mão e colocou-as sobre o seio, a fim de que eu percebesse tanta a saudade, e era um palpitar prestes a romper a pele de tão intenso. Olhou-me com a brevidade que poderia iluminar um mundo, e então voltou ao meu ouvido para dizer que estava muito feliz, muito feliz, que estas duas semanas depois de haver me conhecido eram as melhores de toda a sua vida. Eu quis responder que, que, que, mas apenas gaguejei alguma bobagem desimportante que já estava esquecida antes de ser dita, enquanto ela apenas colocava o dedo sobre minha boca para que eu calasse, e eu senti naquela mão sem peso um aroma feliz de alfazema. < /p>

Janice então fechou a porta e olhou para os lados, a mão sobre a minha mão. Depois, por alguma breve e repentina vergonha, perguntou se havia mais alguém em casa. Não, balbuciei eu, antes que resolvesse pensar e torcendo para que minha resposta fosse verdade.

Olhou-me outra vez, e seus olhos foram flechas ardentes quando disse que me amava.

Antes que eu pudesse (quisesse) dizer alguma coisa, despiu-se e me despiu.

Depois, foi o paraíso.

Há cinco dias, isso.

Desde então, não consigo parar de pensar em Janice, por quem estou apaixonado.

Janice. A nova namorada de meu irmão gêmeo.


Outros Contos


ELE NÃO SABE

CENA PEQUENA

MULHER GRÁVIDA

O BEIJO

A MÚSICA ESCOLHIDA

A VIDA É SIMPLES

FIM DE NOITE

ROSAURA

AINDA GILDA

LIBERDADE DE OPRESSÃO

A CIDADE EM OLHOS DE PRESENTE

O TRABALHO DO COELHO

AS PALAVRAS ATIRADAS

PARA QUE SERVEM OS LIVROS?

PRESENTE

AO MAR

O FILHO

ESTE BARULHO

DESDE O INÍCIO

O ABRAÇO, AI, O ABRAÇO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais