MEIA LUZ, MEIA VERDADE

Então levantou os olhos e percebeu que a mulher o encarava. Um olhar firme e algo irônico, no qual se podia adivinhar certa ardência destinada a poucos. Talvez nem fosse alguém a quem dedicasse maior atenção se simplesmente cruzasse com ela na rua. Mas ali, não: eram uns poucos hóspedes distribuídos na penumbra do bar do hotel, e ela e ele eram os únicos a estar sozinhos. A mulher bebia um martini, e sua solidão tranqüila lhe emprestava uma sensualidade misteriosa, que se acentuava no olhar quente que, sem disfarçar, alcançava ao homem. O que fará uma mulher sozinha num bar de hotel, indagou ele.

Cumprimentou-a com um aceno breve, leve o suficiente para – se necessário – ser recolhido. Mas a mulher sorriu e acenou um retorno com promessas de fantasia. Ele sorriu de volta e no instante seguinte estava parado em frente à mesa daquela hóspede.

“Posso te pagar uma bebida?”

“Não.” – ela riu, frente àquela abordagem tão antiga. – “Mas pode sentar.”

Ele sentou-se e ela estendeu a mão, quase divertida.

“Meu nome é Julia.” – disse. – “E o teu?”

“Renato.” – respondeu ele, percebendo que Julia segurava a mão dele com certa intensidade nova e por mais tempo do que necessário.

E começaram a conversar como se já se conhecessem, próximos e quentes, as pernas cruzadas de ambos tocando-se sem disfarces por baixo da mesa. Ela pareceu contar da vida - mas não tudo, apenas uns poucos, para que os mistérios não se desfizessem.

De repente, o telefone de Julia tocou. Ela olhou a tela do aparelho, suspirou como se estivesse em dúvida e atendeu.

“Oi, amor!” – exclamou ela. E então seguiu conversando por cinco minutos com o marido, dizendo o quanto estava com saudades, que em dois dias já estaria em casa, que agora estava jantando solitária e triste, e que tão logo acabasse de jantar iria para o quarto. “Vou dormir com saudades de ti.” – encerrou ela.

Quando desligou o telefone, olhou para Renato e encostou firmemente a perna no joelho do homem.

“Agora, a escolha é tua. Continuamos ou paramos aqui?”

O mistério, ele pensou - antes de responder que sim.

“Bom.” – ela disse, e então o encarou com um sorriso novo. - “E talvez eu nem me chame Julia.”


Outros Contos


CONCERTO

OFERENDA

ONDE ANDARÁ ESTE FUTURO?

PROGRAMA DE BEM ESTAR

PRECONCEITO, ONDE?

AS PERGUNTAS QUE NÃO SÃO FEITAS

BAILE DE DOMINGO

PAIXÃO DE CARNAVAL

TELEFONEMA PREMIADO

ALCEU FEIJÓ

CARTA A FRAN

BELA, RECATADA E DO LAR

ESTÁTUAS VIVAS

EMÍLIA AO TELEFONE

O CÃO AZUL

A MENTE COLORIDA

RETRATO PARA A MÃE

A MEMÓRIA AO LADO

O GURI DALTÔNICO CHEGA AO CÉU

O CONDE

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais