AS QUATRO

Elas jogam cartas todas as quintas-feiras à tarde, e é sempre neste dia que melhor exercitam a amizade que une as quatro, como se fossem irmãs, há quase cinqüenta anos. Andam todas um pouco além dos setenta, embora duas delas não revelem a idade. Cada semana, o encontro é na casa de uma, e é bonito de vê-las em suas alegrias juvenis quando se encontram e se abraçam como se há décadas não se enxergassem. São risadas de crianças, mesmo, parecidas às dos netos que todas tem.

As quatro trazem guloseimas para beliscar durante as partidas, e então a mesa da cozinha fica igual a um aniversário de criança: são bolos fatiados, refrigerante, glaceados, docinhos, salgados, tortas, biscoitos com recheio, pizzas caseiras, tudo que engorde. Há alguns anos, a mais nova trouxe algumas ameixas importadas, lindas e louçãs, mas a vaia de todas as outras foi tão grande que ninguém mais, depois disso, se aventurou a levar frutas para os encontros. De vez em quando – mas nem sempre – alguma carrega à festa uma garrafa de vinho ou licor, que todas bebericam sem maior interesse ou fingindo escândalo com o tanto que a outra está bebendo.

Jogam em duplas, todas as semanas, e revezam-se nas parcerias – mas a verdade é que se conhecem tanto, sabem tão bem os segredos e manias umas das outras, que pouco importa quem está jogando com quem. E o resultado do jogo também é o de menos; ainda que apostem uns tostões a cada semana, todas sabem que este dinheirinho comum servirá apenas para que a ganhadora compre outro pacote de biscoitos para a quinta-feira seguinte.

Mas conversam. E riem. Chegam a esquecer-se do jogo, enquanto uma conta a última travessura do neto e outra, viúva, fala dos olhares compridos que vem recebendo do vizinho solteirão. Até fofocam um pouco, reclamam outro tanto dos filhos e das filhas, sentem as dores dos braços e as pernas cansadas. Mas isso sem exagero, porque não é para isso que estão ali todas as semanas, e no instante seguinte já estão elogiando filhos e filhas e gabando-se todas das fantásticas saúdes que tem. E quando a mais velha resolve contar a história incrível que lhe aconteceu quando esteve em Paris, todas as outras fingem não conhecer o episódio e tem também a delicadeza de não lembrar à amiga que, na verdade, ela nunca foi à França e a história que irá contar pela centésima vez é parte de um filme que assistiu muitos anos atrás. Enquanto isso, disfarçadamente, a mais nova tenta olhar as cartas da amiga ao lado.

Os jogos vão até as oito da noite e nem sempre elas se dão ao trabalho de conferir os pontos.

O que importa mesmo é gostar-se. E nisso todas são campeãs.


Outros Contos


MULTICORES

O FLECHA

OCORRÊNCIA POLICIAL

AS TRUFAS

OS ANÉIS

OS OLHOS

ANA BETH

OS POEMAS DE AMOR

CIRCULAR nº 01

AS TEIMOSIAS

AINDA GILDA

DONA LIDIANE

SAPATEIRO

AINDA

AS FALAS DA MÃE

REPOLHOS SÃO MAIS DO QUE ISSO

A VIDA

PROCURANDO GILSON

CARTA A FRAN

O FILHO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais