70% dos brasileiros não sabe o que é e-book
Para o escritor Henrique Schneider, que já tem uma de suas obras em formato digital, papel ainda vai durar, mas e-book é tendência.
   
Mais da metade dos entrevistados pelo Instituto Pró-Livro durante a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, 70%, nunca ouviu falar dos livros digitais que podem ser lidos em equipamentos como tablets e e-readers.

Dos 30% que já ouviram falar em e-books, 82% nunca leram um livro
eletrônico. Os leitores aprovam o formato eletrônico dos livros digitais, segundo a pesquisa. A maior parte dos entrevistados lê de dois a cinco livros por ano.

No entanto, mesmo que muitos sejam adeptos dos livros digitais, a maioria dos leitores acha difícil a extinção do livro de papel. O escritor Henrique Schneider concorda. “Sou um defensor do livro, qualquer que seja o seu suporte’, explica. “Acho que o suporte em papel persiste ainda durante um bom tempo. O objeto ‘livro’ em papel, com seu charme, forma e cheiro, ainda encantará o leitor durante vários anos. Depois, deve ser substituído por outro (ou outros) suporte – sendo o livro eletrônico, atualmente, a tendência mais forte.”

E de fato é, segundo o levantamento, que foi divulgado em março deste ano. Nos Estados Unidos, a venda de e-books supera a de livros impressos. De acordo com a Associação Americana de Editores, as vendas dos livros digitais cresceram 117,3%, em 2011. Ainda segundo a associação, o mercado cresceu mais de 100% em três anos.

A Vida é Breve e Passa ao Lado já é digital


Schneider vê o e-book sendo utilizado atualmente para leituras práticas. “O leitor que gosta de literatura ainda está preferindo o suporte em papel. Ainda são raros os leitores, por exemplo, que lêem um romance no suporte virtual.”

Um de seus livros, A Vida é Breve e Passa ao Lado, já é comercializado em formato digital. A Dublinense, editora da obra, recentemente fechou contrato com a Amazon. Quando a loja virtual brasileira da gigante norte-americana for inaugurada no Brasil, no segundo semestre deste ano, seus e-books já estarão à venda.

“Nesse sentido, acho ótimo que as editoras estejam de olho e investindo nesta nova forma de leitura. A Dublinense tem contrato de distribuição de e-books com todas as grandes livrarias brasileiras que já operam com livros eletrônicos: Saraiva, Cultura , Livraria da Travessa, Livraria Curitiba, Leitura, além dos portais Iba, da Abril, e Gato Sabido, pioneiro na venda de ebooks no país.”

Confira: Versão digital de A Vida é Breve e Passa ao Lado

Com informações de Agência Brasil
FOTO: Adam Tow / allthingd.com
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais