Jeferson De, de “Bróder”, inicia projeto para transformar “Contramão” em filme
Diretor do filme vencedor de cinco prêmios no Festival de Cinema de Gramado e quatro no de Paulínia assinou contrato com escritor gaúcho para começar o roteiro.
   
Jeferson De (foto) é um cineasta paulista, nascido em 1969 e diretor do filme Bróder, ganhador de cinco prêmios no Festival de Cinema de Gramado de 2010 (melhor filme, melhor diretor, melhor ator, melhor montagem e melhor trilha musical) e outros quatro no Festival de Paulínia do mesmo ano (melhor longa-metragem, melhor fotografia, melhor som e melhor direção de arte).

E partiu de Jeferson De a iniciativa de transformar o livro Contramão, de Henrique Schneider, em filme. Depois de ler a obra, o diretor entrou em contato com o escritor gaúcho a partir de sua página na internet – e o contrato de cedência dos direitos do livro, por 48 meses, para que Jeferson o roteirize, já está assinado.

Atualmente, é isso que Jeferson De está fazendo: roteirizando, além de atuar na busca por parceiros para viabilizar o projeto financeiramente. O diretor está otimista e espera rodar o filme até o ano que vem. O gaúcho Paulo Nascimento (Em Teu Nome e Valsa Para Bruno Stein) assume o papel de coprodutor.

Como definiu o escritor Moacyr Scliar, em Contramão, Henrique Schneider conta, “de maneira absolutamente fascinante”, a história de um homem que tem um encontro com o destino. Trata-se da história de Otávio Augusto, que tem 25 anos e uma vida toda planejada. Mas o imprevisto ocorre em uma certa manhã, quando ele atropela duas crianças e foge.

As paisagens brasileiras e uruguaias figuram na corrida de Otávio, que termina em Punta del Diablo. Uma viagem até lá está nos planos de Schneider e Jeferson De, para que o diretor possa ser apresentado às locações.

Os diretores


Jeferson De
Cineasta paulista nascido em 1969 e formado em cinema pela ECA/USP, é militante da causa negra no cinema brasileiro. Em 2005, lançou o manifesto Dogma Feijoada, uma análise histórica sobre a produção audiovisual dos negros no Brasil, que depois gerou o livro Dogma Feijoada e o Cinema Negro Brasileiro. Dirigiu quatro curtas-metragens, trabalhou também como editor e finalizador em produções para a TV de canais como MTV e SBT. Em 2003, fundou a produtora Barraco Forte, que produz, entre outras coisas, reportagens e projetos de ficção para a televisão. No mesmo ano, dirigiu o curta-metragem Carolina, vencedor do prêmio de melhor curta-metragem e Prêmio da Crítica no Festival de Gramado. Sua estreia em longas-metragens foi em 2010 com o filme Bróder, cujo roteiro foi selecionado para o VI Laboratório de Roteiros do Instituto Sundance.

- Filmografia selecionada: Bróder (2010); Narciso Rap (2004), curta-metragem selecionado para a mostra brasileira do Festival de Clemont-Ferrand, na França; Carolina (2003); Distraída para a morte (2001), curta-metragem selecionado para os festivais de Gramado e Oberhausen, na Alemanha; e Gênesis 22 (1999), curta-metragem selecionado para o Festival de Brasília.

Paulo Nascimento
Cineasta nascido no Rio Grande do Sul, com experiência em publicidade e televisão. Dirigiu a minissérie A hora do louva-a-deus (1996), veiculada no Canal Brasil e em televisões de Cuba e Portugal. Iniciou a carreira no cinema com o curta O chapéu (1996), e no ano seguinte fez Dedos de pianista. Seu primeiro longa foi Diário de um novo mundo (2005), lançado no Festival de Gramado, onde ganhou os prêmios de melhor roteiro e melhor filme pelo público. Em 2007, também no Festival de Gramado, lançou Valsa para Bruno Stein, que ganhou o Kikito de melhor atriz para Ingra Liberato.

- Filmografia selecionada (diretor): Em teu nome (2009), A casa verde (2008), Valsa para Bruno Stein (2007), Diário de um novo mundo (2005), curta-metragem Dedos de pianista (1997) e curta-metragem O chapéu (1996).
- Filmografia selecionada (roteirista e produtor): Em teu nome (2009) e Valsa para Bruno Stein (2007).

Com informações de FilmeB

FOTO: divulgação / Edison Vara
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais