Casa de Jorge Amado vira memorial em Salvador
   
A partir da próxima sexta-feira, dia 14, os fãs do escritor Jorge Amado vão poder conhecer um pouco mais da sua história em um memorial que funcionará na casa onde ele morou com a mulher, Zélia Gattai, em Salvador. O espaço foi inaugurado no último dia 07 na capital baiana, com a presença de parentes e artistas como a atriz Sônia Braga,
que interpretou duas personagens famosas do escritor: Gabriela e Dona Flor.

A Casa do Rio Vermelho, como é conhecida, fica na Rua Alagoinhas, no bairro Rio Vermelho. O local, que ficou 11 anos fechado, irá mostrar ao público originais de livros, a biblioteca, obras de arte e esculturas. A casa foi reformada, mas mantém a originalidade dos tempos em que a família vivia na residência. No jardim, estão enterradas as cinzas do casal.

No espaço Sala das Leituras, uma tela de cinema vai apresentar a leitura de trechos de livros de Jorge Amado feita por personalidades como Caetano Veloso, Regina Casé, Daniela Mercury, Sônia Braga, Mariana Ximenez, Marisa Orth, Mateus Solano, Paloma Amado, Milton Gonçalves e Paulinho da Viola. A casa foi comprada pelo casal em 1960, com dinheiro da venda dos direitos do livro Gabriela, Cravo e Canela. A Casa do Rio Vermelho também é o nome de um livro escrito por Zélia Gattai, publicado em 2002, que conta a história vivida pelo casal quando residiu no imóvel.

A reforma foi bancada pela prefeitura de Salvador, e custou R$ 6 milhões. A expectativa é receber até 10 mil visitantes por mês e 30 mil na alta estação. O funcionamento do memorial será às sextas-feiras, aos sábados e domingos, entre as 10h e as 17h. O valor da entrada inteira será R$ 20, mas o acesso será gratuito para professores do ensino fundamental e médio e estudantes de escolas públicas que visitem o espaço com agendamento. Estudantes universitários e idosos pagarão meia-entrada e crianças de até 5 anos estão isentas da taxa.

FONTE: Agência Brasil
FOTO: Divulgação / Fundação Casa de Jorge Amado

> Publicação: em 10/11/2014.
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais