Marcos Kirst vence o Prêmio Açorianos de Criação Literária 2014
   
A Noite do Livro, ocorrida em Porto Alegre na última segunda-feira, dia 24, entregou para A Sombra de Clara, de Marcos Kirst, o Prêmio Açorianos de Criação Literária 2014. Henrique Schneider, com Respeitável Público, e Julia Dantas, com Ruína e Leveza, eram os outros dois finalistas.
"Escrever esta obra foi, para mim, um desafio estilístico pelo fato de precisar, enquanto autor, entrar na pele da personagem e ver o mundo a partir de seus olhos e de suas idiossincrasias", declarou Kirst à Coordenação do Livro e Literatura da Secretaria de Cultura de Porto Alegre. "Uma vez que a narradora é Clara, fazia-se fundamental escrever como Clara, pensar como Clara, reagir como Clara, funcionar como Clara e, principalmente, adotar um estilo narrativo que não fosse o meu, e, sim, o dessa personagem."

O Prêmio Açorianos de Literatura, instituído em 1994, é uma das mais importantes premiações do segmento no Rio Grande do Sul. O Prêmio Açorianos de Criação Literária foi instituído em 2010 pela a Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre. Na condição de vencedor, Kirst terá o seu trabalho lançado em livro pela Editora da Cidade/SMC, além de receber prêmio em dinheiro e troféu criado por Xico Stockinger.

Leia a sinopse de A Sombra de Clara:

"A Sombra de Clara" é uma obra que exige a participação ativa do leitor no processo de desvendar o que realmente é real ou imaginário na trama que vai acompanhando a partir da narrativa da personagem principal: Clara, uma jovem jornalista que acaba de perder o emprego ao ver-se envolvida no centro de um turbilhão de fatos que a vão tragando cada vez mais para o fundo de si própria. Podemos acreditar no que nos conta a personagem/narradora? Até que ponto ela própria acredita no que nos apresenta? Sua versão dos fatos corresponde à verdade? Ela vive um surto psicótico ou a realidade esconde mesmo surpresas que sequer ousamos imaginar?

Confira quem foram os vencedores em todas as categorias do Prêmio Açorianos de Literatura:

Livro do ano: Adega Imaginária, de Armindo Trevisan (L&PM Editores)

Narrativa Longa: Opisanie Swiata, de Veronica Stigger (Editora Cosac Naify)

Conto: Contos da Vida Difícil, de Aldyr Garcia Schlee (Edições Ardotempo)

Poesia: Adega Imaginária, de Armindo Trevisan (L&PM Editores)

Crônica: A Tristeza Pode Esperar, de J. J. Camargo (L&PM Editores)

Infantil: No Escuro Mais Sete Histórias Tenebrosas de Bruxa, de Ernani Ssó (Edelbra Editora)

Infanto-juvenil: Minuano, de Tabajara Ruas (Edições BesouroBox)

Ensaio de literatura e humanidades: Humor é Coisa Séria, de Abrão Slavutzky (Arquipélago Editorial)

Especial: Vivi uma História da Arte, de Viviane Pasqual (Editora Modelo de Nuvem)

Capa: Um Mar em Mim, de Marçal Henri Figueiredo, com capa de Raquel Castedo, Guilherme Pereira e Laura Haffner (Editora Literalis)

Projeto gráfico: Cidade Imaginária, de Jorge Rein e Anico Herskovits, com projeto gráfico de Cylene Dallegrave, Jane Machado e Victoria Campello (Editora Letra1)

> Notícia publicada em 25/11/2014.
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais