Lançamento de “Respeitável Público” ocorre em 06 de maio com apresentação de Dilan Camargo
Noite de estreia será na Palavraria, em Porto Alegre. Obra será lançada também em Novo Hamburgo.
   
Já na capa de Respeitável Público, os traços do mundo criado por Henrique Schneider em seu novo livro ficam evidentes: letreiro desbotado, corda rota, estrela quebrada, chapéu puído (clique aqui para ver a capa completa). A história de Alba Rosa e Rômulo, que será lançada no próximo dia 06, uma quarta-feira, é recheada destas sutilezas.
O enredo trata da chegada de um circo mambembe a uma pequena cidade do interior. Ela, filha de Teodoro Alegria, o influente prefeito da localidade. Ele, trapezista. Apaixonam-se a contragosto do pai de Alba Rosa, que, ultrajado pela ocupação do rapaz, arregimenta um exército para tirá-la do circo. Cabe à moça de 17 anos impedir o confronto.

O picadeiro do lançamento será a Palavraria, em Porto Alegre. Com início às 19h30 e entrada franca, o evento contará com apresentação de Dilan Camargo. O escritor e poeta é o autor do texto de apresentação da obra publicada pela editora Dublinense. O livro estará à venda pelo valor de R$ 34,90 e haverá sessão de autógrafos. Também está previsto para as próximas semanas um lançamento em Novo Hamburgo, cidade natal de Henrique Schneider.

Confirme presença no lançamento do livro Respeitável Público!

AÇORIANOS – Respeitável Público se destacou antes mesmo de ser lançado. A obra foi finalista do Prêmio Açorianos de Criação Literária no ano passado. O pódio foi importante para a decisão de publicar o livro – mas, segundo o editor Rodrigo Rosp, não foi o fator principal. “O fundamental foi mesmo a qualidade do texto e o trabalho do autor, que já conhecemos bem”, argumenta. “É um livro instigante, com grande qualidade literária, mas sem ser rebuscado ou hermético.”

A Palavraria fica na Rua Vasco da Gama, 165, Bom Fim, Porto Alegre (mapa abaixo). O livro também está à venda no site da Dublinense.



Sinopse

Teodoro Alegria governa a cidade de Galateia a fogo e favores. Entre os ofícios pouco urgentes e a fome intratável, com a esposa e a filha tranquilas e um tanto tristes, ele vive como acha que deve ser. Eis que chega o Holywood, pobre na estrutura, rico na extravagância. O trapezista com olhos cor de púrpura, a cigana com aroma de sândalo, o dono do circo com dentes de ouro — todos dispostos a oferecer ao respeitável público um espetáculo com tradição e grandeza. No dia da estreia, uma força inexplicável surge como ameaça ao poder do prefeito. Destino? Sorte? Do picadeiro ao gabinete, nas ruas malcuidadas e nos cafés sonolentos, agora só se fala nisso.

Apresentação

Henrique Schneider cria uma história na melhor tradição das narrativas latino-americanas ao expor a tragicomédia do poder político unipessoal diante de fatores fantásticos e humanos que fogem ao seu controle. Ele capta e atualiza, de forma original, o que representa o circo no imaginário humano, com o seu fado de encantar e de mudar destinos. O encontro da filha do todo poderoso prefeito da remota cidadezinha de Galateia com o trapezista do Gran Circo Holywood transcende a beleza das histórias de amor e nos joga no coração de uma contradição metafórica entre Poder e Arte. Vemos desfilar um insólito exército de capangas do prefeito mobilizado para invadir um circo mambembe. Vemos o espetáculo de “soldados armados” contra artistas de circo munidos apenas de suas artes malabares. Mais uma vez, Henrique Schneider confirma a sua trajetória de exímio narrador e de um escritor que ressalta a singela humanidade dos seus personagens. Esta é uma das características que torna distinguível a sua excelente literatura.
Dilan Camargo


Ficha técnica

Páginas: 128
Formato: 14x21 cm
ISBN: 9788583180609
Preço: R$ 34,90
Apresentação: Dilan Camargo

Leia Mais

Dublinense publicará “Respeitável Público”, finalista do Açorianos

> Notícia publicada em 27/04/2015.
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais