Em Novo Hamburgo, biblioteca comunitária aproxima crianças dos livros
Nome do espaço homenageia o trabalho de Henrique Schneider.
   
Nas palestras que ministra, Henrique Schneider costuma falar do prazer transformador da leitura. Suas palavras encontram eco, na prática, em uma biblioteca comunitária inaugurada neste ano no bairro Canudos, em Novo Hamburgo.

O escritor, aliás, está presente de
forma ativa no trabalho da biblioteca. “Inclusive, o nome foi escolhido em homenagem a um livro do Henrique”, conta a professora Pâmela Vieira, uma das idealizadoras do espaço. “Por ele ser o escritor de nossa cidade, de tanta representatividade na região, e por ter abraçado essa causa com tanto carinho, é uma alegria para nós, membros desta comunidade, podermos chamá-la de Biblioteca Comunitária Avenida de Histórias.”

Em parceria com a Associação de Moradores do Bairro Canudos, a biblioteca funciona em sua sede, na Rua Valter Iserhard, 20 (esquina com a Rua Pres. Costa e Silva, antigo posto da Brigada Militar). “Foi uma pareceria boa para os dois lados, pois assim a Associação tem suas portas abertas e a biblioteca tem um teto para abrigar seus acervos e associados”, avalia Pâmela. Os momentos de leitura e os empréstimos de livros ocorrem todas as quartas-feiras, das 18h às 19h30.

O coração da biblioteca
é o trabalho voluntário


A biblioteca está em estágio inicial e, para a professora, ainda há muito a ser feito. “Já temos realizado reuniões com a participação da comunidade, montamos uma diretoria provisória e votamos sobre a aprovação do estatuto”, comenta, acrescentando que o espaço já oferece retirada de livros, contações de histórias e oficinas.

As atividades acontecem por meio de parceria com a Universidade Anhanguera e estudantes do curso de Pedagogia, moradoras do bairro Canudos, que realizam estágio em ambiente não escolar na Avenida de Histórias. “O coração da biblioteca é o trabalho voluntário”, resume Pâmela. “Todos os dias recebemos uma ou outra pessoa para colaborar carimbando livros, fazendo fichas de retirada, organizando o espaço, entre outras coisas que vão surgindo e assim a biblioteca vai se movimentando, respirando e sobrevivendo.”

Todo o acervo é composto por doações que a biblioteca recebeu – ou de pontos de coleta ou de descarte de outras, como a da Escola Municipal de Ensino Fundamental Martha Wartenberg, também de Novo Hamburgo. Interessados em auxiliar o desenvolvimento da biblioteca comunitária podem entrar em contato pela página no Facebook ou pelos telefones (51) 9632-5443 e (51) 8442-7987.

O início


A origem da Biblioteca Comunitária Avenida de Histórias é a "sacola da leitura". A iniciativa da professora Pâmela de proporcionar que seus alunos levassem livros e periódicos para casa a fez perceber a necessidade de ampliar o trabalho para que a garotada – e quem mais tivesse interesse – não abandonasse a leitura durante o período de férias escolares.

“Diante disso, me senti desafiada a proporcionar a essas e tantas outras crianças a possibilidade de acessar livros fora da escola”, lembra. “Assim, ao invés de pedir doações de alimentos e brinquedos, como até então era feito, comecei a pedir livros e voltar meus movimentos para a organização dos momentos de contação de histórias e retirada de livros.”

Saiba mais sobre o livro “Avenida de Histórias”

FOTO: reprodução / Facebook Biblioteca Comunitária Avenida de Histórias

> Notícia publicada em 26/05/2015.
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais