Henrique Schneider pára no “Curtas Gaúchos” da RBS TV
Cineasta hamburguense Cris Werle baseou-se na literatura para produzir curta-metragem comprado pela RBS TV.
   
A fórmula “literatura mais cinema” costuma resultar em sucesso. Não é verdade? A hamburguense Cris Werle que o diga. Cineasta formada pela Unisinos, transformou em curta-metragem um dos contos do conterrâneo escritor Henrique Schneider.

O monstro debaixo da cama serviu como inspiração para Dormindo no Escuro. Comprado pela RBS TV, o filme vai para o programa Curtas Gaúchos 2010. Os atores são profissionais. Nomes como Marcos Verza, do longa Valsa para Bruno Stein, e Carolina Sudati, melhor atriz no Festival de Cinema de Gramado 2008.


A trama aborda em 19 minutos o medo de dormir no escuro. Uma livre adaptação de Schneider. “Meu conto é apenas ponto de partida. A partir da idéia, a garotada construiu sua própria história”, elogia o escritor. Quer conferir como ficou? Então, anote aí. O curta vai ao ar em 23 de janeiro, logo após o Jornal do Almoço. Um dia antes, Cris Werle fala ao telejornal.


Saiba Mais


O CURTA-METRAGEM


Dormindo no Escuro é dirigido por Cris Presti Werle e foi produzido no final de 2008 com a participação de outros formandos em Realização Audiovisual. Cada um exerce a função para a qual se especializou.


Os atores são profissionais e aceitaram o convite apostando na qualidade do projeto, sem remuneração. Entre eles, Marcos Verza, do longa gaúcho Valsa para Bruno Stein, e Carolina Sudati, melhor atriz no Festival de Cinema de Gramado em 2008 por Um dia como hoje.


Com recursos escassos da universidade, a produção recebeu apoio da Padaria do Horto, Westphalen Móveis e Art Windows.


O curta-metragem tem 19 minutos e aborda o medo de dormir no escuro. Uma livre adaptação do conto de Henrique Schneider. “Meu conto é apenas um breve ponto de partida. A partir da idéia, a garotada construiu sua própria história”, avalia o escritor. “Literatura deve ser sempre ponto de partida, nunca de chegada. Deve começar a discussão, nunca fechá-la”.


Ao falar sobre o conto, Cris explica os motivos que a fizeram escolhê-lo. “A literatura do Henrique tem característica cinematográfica. Quando escreve, ele descreve muito bem.”


A CINEASTA


O interesse de Cris Werle (foto) pelo cinema começou cedo. Ainda no ensino médio e por acaso. Pode acreditar. Mal sabia ela que anos depois estaria prestes a disputar prêmios com um filme de sua autoria.


A cineasta estudava na Escola de Aplicação Feevale, onde participou do projeto Cinemachado, que propunha a adaptação de um conto de Machado de Assis.


O resultado foi um curta-metragem roteirizado por ela com apoio do namorado Lucas Oliveira. “Juntos, decidimos encarar o curso de cinema na Unisinos”, lembra Cris. Lucas também participa de Dormindo no Escuro como diretor de fotografia.


FESTIVAIS


A partir de maio Cris começa uma peregrinação por festivais de cinema do circuito nacional disputando prêmios com Dormindo no Escuro. Não descarta nenhum que aceite curta-metragem. “Pretendo participar do festival de Recife, Brasília…”, explica.


O trabalho passa também por avaliação dos coordenadores do curso de Realização Audiovisual e pode representar a Unisinos no Festival de Gramado. “Me surpreendi positivamente. Vai bem além de um trabalho de conclusão, tem uma cara muito profissional. Os cuidados de direção, produção, o texto… Tudo está bem medido, bem pesado, prendendo a atenção do espectador”, elogia Henrique Schneider.


DORMINDO NO ESCURO


Renato desapareceu. O detetive Marcos ouve três testemunhas tentando encontrá-lo: Suzana, colega de trabalho e amante; Dr. Pedro, terapeuta que o atendia; dona Maria, a mãe. Todos suspeitos até o final da trama.


Suzana tem outro amante ciumento. Dr. Pedro, no currículo o sumiço de um paciente e dona Maria era a única beneficiária do seguro de vida do filho. Flashes remontam à luta de Renato contra um trauma de infância. Depois de ouvir de uma tia que o bicho-papão poderia pegá-lo, nunca mais dormiu no escuro.


Nos depoimentos, Suzana, Dr. Pedro e dona Maria relatam passagens em que Renato falara sobre a angústia. Enfim, ele decide superar o medo. Apaga as luzes e vai para a cama. Conseguirá dormir?


Elenco


- Renato (Marcos Verza)
- Detetive Marcos (Zé Mário Storino)
- Suzana (Carolina Sudati)
- Dr. Pedro (Álvaro Rosacosta)
- Dona Maria (Nídia Gutierres)


Roteiro/Direção/Supervisão de Montagem


Cris Presti Werle


Direção de Fotografia


Lucas Oliveira


Produção


Ricardo Zauza


Montagem


Luini Nerva


Assistência de Direção


Maurício Fulber


Direção de Som


Juliano Dias


Diretor de Arte


Daniel Alfaya


Animação


Anderson Bontempos


FOTO: divulgação
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais