Henrique Schneider e Olé Armazém Mexicano iniciam o projeto cultural “PapOlé”
Primeira edição trará ao restaurante os atores Lourival Pereira e Artur de Oliveira. Valor do couvert será destinado à AFAD-21.
   
Nesta segunda-feira, dia 11, o Olé Armazém Mexicano e o escritor Henrique Schneider dão início a uma parceria que levará bate-papos com personalidades da região para o restaurante a cada dois meses, na segunda segunda-feira do mês. É o PapOlé, que já tem mais três datas confirmadas para este ano: 13 de junho, 08 de agosto e 10 de outubro.
Neste projeto cultural, Schneider conversará com pessoas das mais diversas áreas. O critério é simples e abrangente: personalidades que tenham coisas interessantes a dizer e boas histórias a contar. Neste sentido, a primeira edição já começa com o pé direito.

A partir das 20h, o escritor conversa com importantes representantes da arte do teatro, Lourival Pereira (88 anos) e Artur de Oliveira (72 anos). “São dois atores com vastíssima experiência e que estão emocionando o público com a peça O Quarto Sinal”, conta Schneider. “Cada um tem mais de cinquenta anos dedicados ao teatro e muitas histórias bacanas para contar. Será bem interessante – e emocionante – ouvi-los.”

SOLIDARIEDADE – As noites de PapOlé serão de conversas descontraídas e também solidariedade. O valor do couvert será, a cada edição, integralmente doado a uma instituição escolhida por Schneider. “A primeira instituição a receber o valor será a AFAD-21, de Novo Hamburgo, que realiza um belíssimo trabalho em favor da inclusão de portadores de Síndrome de Down na sociedade”, destaca o escritor.

No Olé, a culinária mexicana é servida com astral acolhedor em um espaço decorado com temas da cultura latina. O restaurante fica na Rua Silveira Martins, 711, Centro, em Novo Hamburgo. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3036-2036.

FOTO: Thaís Lehmann

> Notícia publicada em 08/04/2016.
 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais