Vida Breve ajuda a levar “vida longa” ao Rio de Janeiro
Sessão de leitura dos contos do escritor Henrique Schneider arrecada donativos para as vítimas das chuvas.
   
O Rio de Janeiro continua lindo, é verdade. Mas pede ajuda! As tragédias naturais que se abateram sobre a região serrana fluminense desencadearam um movimento solidário por todo o Brasil. Em Novo Hamburgo, não é diferente. E podendo aliar o útil ao agradável, melhor ainda...
Foi o que fizeram mais de 40 pessoas que assistiram sessão de leitura dos contos da Vida Breve no Teatro Paschoal Carlos Magno, no final de janeiro. Promovido pelo escritor Henrique Schneider com apoio da Secretaria Municipal de Cultura, o evento tinha como objetivo arrecadar materiais de limpeza e higiene pessoal, além de roupas, para as vítimas das chuvas no Rio.

Quem gosta de literatura entendeu o recado e se mobilizou. Foram arrecadadas cerca de 50 sacolas de donativos encaminhadas à Defesa Civil de Novo Hamburgo, responsável pelo envio ao Rio de Janeiro. “A palavra é solidariedade. Costumamos fazer as leituras públicas e gratuitas. Dessa vez, o ‘ingresso’ tinha um bom motivo”, argumenta o escritor hamburguense.

ALERTA - Essa não é a primeira vez que uma tragédia natural mobiliza admiradores do trabalho de Henrique Schneider. Em 2009, depois dos deslizamentos causados pela chuva no litoral de Santa Catarina, água potável foi arrecadada às vítimas.

O escritor destaca a importância de movimentos desse tipo, mas alerta: é preciso evitá-los. “Precisamos fazer um debate sério, sem comprometimentos, sobre as causas dessas tragédias, imediatamente. Amanhã, pode ser tarde de mais.”

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais