Nicolau tem quarenta e sete anos e há mais de dez lava pratos num restaurante, o que lhe dá uma sensação de estabilidade. Certo dia, chega ao trabalho e escuta a conversa entre o dono do restaurante e um vendedor de lavadoras de prato – o homem está instalando uma dessas máquinas no estabelecimento.

Para Nicolau, isso é o desemprego.

Desnorteado com esta realidade, ele se desespera. Quando sai do trabalho, meio sem rumo, não consegue ir para casa – onde Natélia, sua mulher, o espera como sempre. Anda pela cidade, xinga o vendedor de uma loja de eletrodomésticos, se embriaga, dorme com uma prostituta. No meio do desatino, decide que amanhã gritará contra esta injustiça, dirá umas verdades ao patrão. Pode até tocar fogo naquele restaurante – quem sabe?
Mas no outro dia, a história muda de caminhos.

COMPRAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais